Profissionalização urgente

As cadeias do agronegócio do Brasil precisam ser profissionalizadas urgentemente,pois somente assim poderão se tornar competitivas ou serão totalmente englobadas.
Nos países desenvolvidos verificase um equilíbrio, enquanto no Brasil e em muitos países menos desenvolvidos predomina o desequilíbrio entre os segmentos de uma mesma cadeia produtiva.

Algumas das principais consequências desse desequilíbrio para o Brasil e países menos desenvolvidos são a evasão de recursos econômicos, a redução
da produção nacional, as importações desnecessárias, a introdução de patógenos exóticos, o desemprego, a retração de consumo etc.
A solução para reverter essa situação é relativamente simples. Basta copiar os exemplos bem sucedidos das cadeias produtivas que se organizaram profissionalmente e que provocaram as mudanças necessárias para a sustentabilidade e crescimento equilibrado de todos os segmentos.

Assim sendo, baseado em nossa experiência e nos conhecimentos adquiridos em visitas a países que organizaram profissionalmente suas cadeias produtivas, sugerimos para a Cadeia Brasileira da Batata algumas atividades, forma de arrecadação de recursos econômicos e resultados esperados.

Sugerimos como principais atividades a realização de pesquisas para a solução de problemas e geração de tecnologias; a modernização das atuais legislações inerentes à batata semente (obrigatoriedade do uso de batata semente fiscalizada) e ao consumo (obrigatoriedade de rotulagem – rastreabilidade e informações culinárias ao consumidor); defesa fitossanitária interna (disseminação de problemas fitossanitários) e externa (fiscalizações severas para impedir o contrabando e as importações de produtos classificados como fora de padrões); a profissionalização dos segmentos (cursos e treinamentos técnicos, comerciais); a modernização do sistema de comercialização (embalagens, pagamentos/recebimentos, margens de lucro); incentivo ao processamento da batata e desenvolvimento dessa prática; a realização de campanhas para aumentar o consumo; incentivo à geração de empregos; viabilização do produto à população de baixa renda; projetos de preservação do meio ambiente etc.
Sugerimos como forma de arrecadação de recursos econômicos uma contribuição obrigatória amparada em legislações federais. Em geral, nos países desenvolvidos a contribuição é irrisória, ou seja, US$ 0,10 / 50 Kg = US$ 2,00 / tonelada = R$ 5,00 / tonelada. Considerando que no Brasil produzimos aproximadamente 2 milhões de toneladas, a arrecadação resultaria em R$ 10 milhões.

Se o consumidor pagar em média R$ 1,00 / kg, a venda total resultaria em R$ 2 bilhões. Mediante este cálculo, a contribuição obrigatória resultaria em 0,5% da arrecadação total da cadeia brasileira da batata.

Como resultados práticos do associativismo profissional não temos dúvidas dos grandes e decisivos benefícios para a Cadeia Brasileira da Batata e principalmente à população do Brasil.

Alertamos para as consequências devastadoras que já são fatos e que poderão acontecer à sociedade e à economia do Brasil se, em curto espaço de tempo, não ocorrer a organização profissional de todas a cadeias de agronegócios.

Autor: Natalino Shimoyama, Gerente Geral ABBA

Fonte: Revista Cultivar HF - out/nov 2005 - ano VI - nº 34

http://www.cultivar.inf.br
VEJA TAMBÉM

Organização Urgente

Diante dos diversos desafios enfrentados pelos bataticultores, no Brasil, a profissionalização da cadeia produtiva é o caminho para garantir a sustentabilidade do setor

LER

Setor Essencial

Em época de pandemia, a importância e a necessidade da produção de alimentos e de empregos se tornam ainda mais evidentes. PARA LER A MATÉRIA NA ÍNTEGRA CLIQUE AQUI

LER

Sugestões de pesquisa

Introdução de variedades mais adequadas, descoberta de novas formas de manejo de problemas fitossanitários, encontrar alternativas para descarte de batata beneficiada, economia do uso de água e valorização dos pesquisadores nacionais estão entre as...

LER

“Custo Brasil”

A luta das cadeias produtivas de hortaliças brasileiras para sobreviver aos enormes entraves e desafios para produzir e comercializar alimentos   LER MATÉRIA NA ÍNTEGRA

LER