FMS Agro Reduz a Pegada Hídrica em seu Sistema de Beneficiamento de Batatas

Antonio Marcos Gaspari
Fernando Milan Sartori

O consumo de água doce no planeta é um tema que há muito tempo é evidente e importante, e desde sempre é alvo constante de diversos estudos para que o seu consumo se torne amplamente reduzido ao mesmo tempo que seja produtivo e não afete as principais cadeias consumidoras, entre as quais estão a necessária produção agrícola e o beneficiamento dos produtos por ela gerados.

Desde 2002, através de estudos realizados pelo professor Arjen Y. Hoekstra, em uma contribuição para a Unesco, foi criado o termo conhecido como Pegada Hídrica, que segue uma metodologia para a medição da quantidade de água potável necessária para produzir alimentos e mercadorias, passando a mostrar de forma mais contundente os impactos destes consumos incorporados ao comércio, enfatizando a relevância de uma perspectiva global sobre o uso e a escassez desse bem.

A FMS AGRO, pensando no futuro do bem hídrico e em parceria com uma grande multinacional do setor de batatas para indústria, tem realizado diversas ações para que a sua pegada hídrica seja consideravelmente reduzida, realizando investimentos e projetos consistentes para o alcance contínuo de metas que reduzam o volume de água utilizada em toda a sua cadeia produtiva, alcançando neste ano novos resultados que elevaram suas notas de classificação e eficiência.

Entre seus mais recentes projetos, a empresa realizou uma grande obra que resultou na construção de tanques decantadores, cujos permitem o reuso de toda a água utilizada em todas as etapas do processo de lavagem de batatas in natura, criando um circuito fechado onde o recurso hídrico nunca é desperdiçado. São cinco tanques de alto volume para decantação de terra e outros sedimentos naturais desta atividade, sendo que ao final do ciclo, nos últimos tanques da linha, a água já em condições para reuso é novamente bombeada para a primeira etapa do processo, que consiste na pré-lavagem das batatas nos cochos de recebimento, local este onde o produto está com as maiores impurezas.

Além dos tanques decantadores, a FMS AGRO também realizou investimentos para a captação de águas pluviais em uma área de aproximadamente 17.000m². Para demonstração de resultados, foram realizadas análises volumétricas que consideraram os meses de agosto e setembro, nos quais a beneficiadora utiliza um maior volume para os seus processos. Estes períodos, mesmo considerados próximos do fim de estiagem, apresentaram valores importantes que se integram ao atingimento das metas.

Desta forma, considera-se que cada 1m² da área de captação x 1mm de chuva seja capaz de armazenar 1000ml de água, cujo volume é direcionado para uma bacia de passagem construída estrategicamente ao lado da beneficiadora, e que também conta com abastecimento de açudes e poço artesiano outorgado. Avaliando a série histórica da média de chuvas dos meses acima citados, e de acordo com os dados do CIIAGRO (Centro Integrado de Informações Agrometereológicas de São Paulo), o sistema foi capaz de captar mais de 1.340.000.000 litros de água, ressalvando ainda que a captação de pluviais pode ser potencialmente superior quando considerados os acúmulos de outros meses do ano, bem como médias que superem os volumes nos períodos de estudo.

Para consolidar o uso das águas captadas e reutilizadas, são realizadas análises periódicas, que compreendem diversas pesquisas (coliformes termotolerantes, E. Coli, contagem de bactérias heterotróficas, cloro residual livre, ph, sólidos dissolvidos, alumínio, amônia, cloreto, ferro, manganês, nitrato, nitrito e zinco) todas relacionadas à qualidade exigida para aplicação no beneficiamento de produtos alimentícios como a batata. Como parte integrante dos resultados, a limpeza e inspeção dos entornos do reservatório e sistemas de captação são diariamente realizadas.

A linha de lavagem da FMS AGRO possui 3 etapas, subdivididas em duas linhas. Como parte do projeto de redução da Pegada Hídrica, uma das etapas, conhecida como lavagem complementar, apenas é acionada nos casos onde o produto apresente sujidades acima do normal. Para diminuir a utilização desta etapa e seu consequente consumo hídrico, a empresa buscou melhorar seus processos nas colheitas através de um sistema de pré-limpeza, treinamentos, metodologias e tecnologias implementadas no campo, aliando também ao conhecimento empírico de longa data do grupo para aumentar os indicadores positivos em todos as fases produtivas.

Como complementos importantes para a redução também da pegada ecológica, que por sua vez engloba os recursos naturais de forma mais generalizada, a FMS AGRO realiza um plano de gerenciamento de resíduos, onde entre outros, implementou a doação de batatas descartadas em seu processo de seleção para produtores da região, cujas são utilizadas para alimentação animal, enquanto os sedimentos retirados dos tanques de decantação conforme limpezas periódicas são destinados para aterros locais.

Ainda relacionadas com a busca pela redução do impacto ambiental em geral, e dentro de suas metas produtivas, a empresa também realizou um projeto que conta com a geração de energia solar, instalando 180 placas que respondem quase pela totalidade da geração de energia utilizada no beneficiamento, bem como na redução do consumo de gás (GLP), sendo esta possível através da otimização das etapas no tempo de beneficiamento de seus produtos. Os índices alcançados nestas ações, quando avaliados os três primeiros trimestres deste ano, correspondem ao plantio de mais de 40 árvores bem como a economia energética suficientes para mais de 50 mil banhos.

Importante relacionar ao assunto, que a FMS AGRO também realiza programas de treinamento nas áreas de boas práticas (principalmente relacionadas ao processo de limpeza e seleção de batatas), saúde e segurança do trabalho, bem como realiza a implantação do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, entendendo que a tecnologia, por si só, não pode alcançar resultados sem a importante participação do fator humano. Como uma de suas parcelas na responsabilidade social, orienta suas equipes para que todos os trabalhos realizados em sua cadeia estejam voltados para o respeito e manutenção com o meio ambiente, produzindo consciências necessárias que possam ser disseminadas à sociedade através de seus colaboradores.

Finalmente, com capacidade média para lavagem de 250.000kg de batatas por dia e somando todas as ações e pontos de consumo, a FMS AGRO reduziu seu volume de agua utilizada para 0.780ml por quilograma de batata beneficiada, recebendo avaliação que a coloca na Categoria A+ deste importante programa, além de um atestado válido por 3 anos. A avaliação também pontuou, em relação ao ano de 2018, uma melhora de mais de 5% nos requisitos gerais.

 

VEJA TAMBÉM

Batata Transgênica no Brasil e no mundo

André Nepomuceno Dusi e Paulo Eduardo de Melo Embrapa Hortaliças – Pesquisadores CP 218, Brasília, DF – 70.359-970 (61) 3859-066 e (61)556-5744 dusi@cnph.embrapa.br, paulo@cnph.embrapa.br O crescimento da área plantada com transgênicos no mundo não...

LER

VI Seminário Brasileiro da Batata

SBB 2016 A ABBA foi criada em 1997 e, desde então, organizou cinco ENBs (Encontro Nacional da Batata) e seis SBBs (Seminário Brasileiro da Batata). Enquanto o SBB consiste, basicamente, de palestras relacionadas à...

LER

UNIFENAS realiza com sucesso o I Simpósio de Batata da Região de Alfenas

O Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Alfenas – MG realizou de 28 a 29 de maio de 2001 o I Simpósio de Batata da Região de Alfenas/MG. O Evento foi organizado...

LER

Utilfertil x Etanol e/ou combustível

Etanol – Devido às pressões ambientais e preocupações com segurança energética, a maior parte dos países, entre eles as principais potências econômicas, estuda a substituição das matrizes de combustível utilizadas atualmente (petróleo e carvão),...

LER