Exportar, exportar, exportar…

A cada dia que passa esta “idéia” se torna mais forte. Basta ler o caderno de economia dos jornais, revistas, sites de Internet ou assistir televisão. Gostaria de convidá-lo a ler este texto e refletir sobre alguns itens relacionados a produção agrícola mundial.



1. Capacidade de produção.
A maioria dos países já chegaram ao seu limite de exploração, ou seja, já não possuem mais áreas disponíveis ou tecnologias capazes de aumentar a produtividade. Não é por acaso que holandeses estão se deslocando à França para plantar batatas ou produtores americanos estão adquirindo extensas áreas na Bahia para produzir soja. O Brasil possui o maior e melhor potencial do mundo em condições de aumentar a produção agrícola.


2. Diversidade.
Além das restrições acima citadas (*área e tecnologia) a maioria dos países possuem restrições climáticas e humanas para esta atividade primaria O Brasil pode produzir 365 dias/ano com quantidade e qualidade: cereais, frutas, hortaliças, pecuárias, plantas medicinais,etc.


Então se temos o melhor potencial do mundo e podemos produzir 365 dias/ano a equação matemática que indica o saldo da balança comercial agrícola deveria ser: saldo = exportação e não: saldo = exportação – importação. Concordo em exportar soja, café, açúcar, álcool, madeira, frutas, suco de laranja e muitos outros produtos agrícolas, mas não posso concordar em importar batata, arroz, tomate, feijão, alface, milho, trigo, algodão, cebola, alho e muitos outros produtos agrícolas. Não podemos continuar aceitando as imposições dos países ricos, das grandes redes de varejo, indústria, fast food, o corporativismo, a corrupção, a incompetência, a péssima distribuição de renda na cadeia à população, ausência de legislações, o papel de moeda-detroca… Não precisamos importar nada de produtos agrícolas para termos a mesa mais “farta” e “saudável” do mundo e mais justiça social. Basta um simples gesto…

VEJA TAMBÉM

NOVAS CULTIVARES DE BATATA PARA MINAS GERAIS – CULTIVARES FRANCESAS

IJoaquim Gonçalves de PáduaPesquisador – EPAMIG/FECDAv. Santa Cruz, 500 – 37780-000 Caldas/MG.(35) 3735-1101 – padua@epamigcaldas.gov.br   Visita de produtores ao ensaio de Cultivares em Carandaí-MG (Arquivo Multiplanta)   O Programa de Cooperação Técnica França...

LER

XIII Encontro Nacional da Batata

A ABBA organizou o XIII Encontro Nacional da Batata, IX Seminário Brasileiro de Batata Semente e IV ABBA Batata Show, de 23 a 25 de outubro de 2007, no recinto da Expoflora, em Holambra/SP....

LER

Dr. Octávio Almeida Drummond

Joaquim Gonçalves de PáduaPesquisador EPAMIG – FECDC. P. 33 – CEP:37.780-000 – Caldas – MG.padua@epamigcaldas.gov.br Dr. Octávio Almeida Drummond (1912-2001), natural da cidade do Rio de Janeiro, formou em Agronomia em 1934 pela antiga...

LER

Análise de preços da batata in natura nos últimos sete anos

Por Ãlvaro Legnarobatcepea@esalq.usp.br O objetivo do presente artigo é avaliar os principais fatores que infl uenciaram o comportamento de preços da batata in natura pagos ao produtor coletados diariamente pelo Centro de Estudos Avançados...

LER