Entomologia-Requeima da Batata

Dra. Margarida Fumiko Ito, Instituto Agronômico – IAC


Dir. do Centro de Pesq. e Desenv. de Fitossanidade


Av. Barão de Itapura, 1.481, Cep13020-432, Campinas, SP


Fone/Fax: (19) 3241-5188, ramal 385


mfito@iac.sp.gov.br.


 


A batata (Solanum tuberosum L) é a quarta fonte de alimento no mundo e encontra-se disseminada na maioria das regiões tropicais e subtropicais do planeta (Filgueira, 2000). No Brasil, planta-se anualmente entre 130 a 150.000 hectares de batata, com produtividade média de 20 toneladas/ ha. A requeima é a principal doença fúngica da cultura da batata no mundo. É caracterizada como doença de alto poder destrutivo e está disseminada em várias regiões produtoras de batata no Brasil, porém encontra nas regiões Sul e Sudeste as melhores condições de desenvolvimento. É conhecida também como “mela” e “crestamento de Phytophthora”. A doença é causada pelo fungo Phytophthora infestans (Mont.) de Bary. Esse patógeno é favorecido por baixas temperaturas (12°C a 20 °C) e alta umidade relativa, proporcionada por neblina, chuva, orvalho e irrigação frequente. O fungo pode atacar a cultura em qualquer estágio de desenvolvimento, iniciando principalmente no terço mediano superior da planta, mas pode ser encontrado também nos tubérculos. Os sintomas de requeima podem variar de acordo com as condições climáticas (temperatura, umidade relativa, intensidade luminosa) ou de acordo com a resistência da cultura ao patógeno. Nas folhas (Figura 1), as lesões são inicialmente verdes claras a escuras, irregulares e se desenvolvem rapidamente tornando-se amarronzadas ou pretas, causando a morte de folíolos, caule e da planta. Entre o tecido sadio e a lesão pode-se observar um halo encharcado. A lesão pode evoluir e atingir o pecíolo e o caule e causar a morte da planta (Figura 2). Em condições de alta umidade, pode ocorrer a formação de frutificações, de cor esbranquiçada, na parte inferior da folha. Sob baixa umidade, o tecido fica quebradiço. Em condições altamente favoráveis, as plantas podem apresentar aspecto de queima, característico da doença. Nos tubérculos, o fungo causa podridão escura e dura, com a borda definida. O fungo sobrevive principalmente em restos culturais e tubérculos doentes, é disseminado pelo vento e pela água. Pode sobreviver também na forma de oósporos, que são estruturas sexuadas de reprodução e de resistência. As medidas de controle recomendadas são, principalmente, escolha de local de plantio com boa drenagem, destruição de restos culturais, espaçamento que permita maior ventilação, controle químico e cultivares que apresentem algum nível de resistência ao patógeno. O fungo P. infestans apresenta variabilidade genética ou raças fisiológicas, o que dificulta a obtenção de cultivares com resistência a todas as raças. Assim, uma cultivar de batata pode ser resistente numa região e suscetível em outra, dependendo da raça de P. infestans presente no local. Esse fato tem sido limitante no cultivo das variedades comerciais de batata, que requerem controle químico, para evitar prejuízos na produção e garantir boa qualidade do produto. O manejo químico é caracterizado por produtos com ação protetora, e sistêmica. Sua eficácia depende das condições de aplicação (clima), tecnologia em que o produto foi aplicado e momento correto de aplicação, de acordo com a característica do fungicida, pressão de inoculo de P. infestans e suscetibilidade da cultivar de batata. Os fungicidas protetores atuam na superfície da folha, impedindo a germinação dos zoósporos e esporângios. Sua ação ocorre em vários sítios da célula fúngica, o que torna uma opção interessante para o manejo de resistência do patógeno dessa doença. Dentre os fungicidas estão os cúpricos, estanhados, Fluazinam, Clorotalonil, Zoxamida + Mancozebe, Mancozebe e Metiram. A utilização isolada destes produtos requer curtos intervalos de aplicação e de forma preventiva, ou seja, antes da chegada do fungo na superfície da planta. Fungicidas com ação sistêmica translocam pela planta, agem preventivamente e curativamente e proporcionam maior período de proteção. Dentre eles estão Propamocarbe, Iprovalicarbe + Propineb, Metalaxyl-M. Atualmente, novos produtos vêm sendo inseridos no manejo da requeima da batata, com mecanismos de ação diferenciados, com ação protetora e curativa, como Benthiavalicarbe + Fluazinam. 

VEJA TAMBÉM

Manejo da irrigação na batata

Jadir Aparecido Rosa, Ph. D. Pesquisador – Instituto Agronômico do Paraná Caixa Postal 129 Ponta Grossa – PR 84001-970 fone/fax (42) 229-2829 – jrosa@iapar.br A irrigação pode ser definida como a reposição artificial da...

LER

Agroquímicos-Comércio ilegal de agrotóxico no Brasil

Prejuízos causados ao país, de acordo com estudos realizados, atingiram a cifra de R$ 700 milhões   Fernando Henrique Marini Gerente de Produto   A partir de 2001 o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para...

LER

Adubação com hora marcada

Da esquerda para a direita:Antonio Roque Dechen, Magnus Deone Quirino Augusto de Camargo Antonio Roque DechenProfessor Titular – ardechen@esalq.usp.brMagnus Dall’igna DeonPós-Graduando – deon@esalq.usp.brQuirino Augusto de Camargo CarmelloProfessor Titular – qaccarme@esalq.usp.brEscola Superior de Agricultura Luiz...

LER

Bem Brasil – O Caminho para o Futuro

PARA LER A REVISTA BATATA SHOW EDIÇÃO 39, ACESSE O ARQUIVO PDF: http://www.abbabatatabrasileira.com.br/images/pdf/rbs_39.pdf

LER