Batata – Regulador de Crescimento

Uso de regulador de crescimento vegetal na cultura da batata

 

Jesion Geibel da Silva Nunes

Engo. Agro. Doutorando em Agronomia/Agricultura

Faculdade de Ciências Agronômicas/UNESP

Caixa Postal 237, CEP 18610-307, Botucatu (SP)

E-mail: jesiongeibel@bol.com.br

 

Adalton Mazetti Fernandes

Engo. Agro. Pesquisador IV

Centro de Raízes e Amidos Tropicais/UNESP

Caixa Postal 237, CEP 18610-307, Botucatu (SP)

E-mail: adalton@cerat.unesp.br

 

Rogério Peres Soratto

Engo. Agro. Professor Adjunto

Departamento de Produção e Melhoramento Vegetal

Faculdade de Ciências Agronômicas/UNESP

Caixa Postal 237, CEP 18610-307, Botucatu (SP)

E-mail: soratto@fca.unesp.br

 

 

A produtividade da batata (Solanum tuberosum L.) depende da capacidade da planta sintetizar carboidratos nas folhas e mobilizá-los para os tubérculos em crescimento. Assim, o crescimento foliar excessivo nos estágios tardios do ciclo da cultura pode afetar negativamente a produtividade de tubérculos. Cultivares de batata que apresentam elevado desenvolvimento vegetativo também podem ter um gasto desnecessário de fotoassimilados para promover o desenvolvimento da folhagem. Nessas condições favoráveis ao crescimento da parte aérea das plantas o uso de retardantes ou reguladores do crescimento vegetal pode ser uma alternativa para melhorar a produtividade da cultura, através da redução no porte das plantas e do aumento na alocação de matéria seca (MS) para os tubérculos em crescimento.

Os reguladores de crescimento vegetal são compostos sintéticos que reduzem a altura das plantas sem ocasionar fitotoxidez (Rademacher, 2000), pelo fato de atuarem na regulação dos processos fisiológicos da planta (Castro et al., 2012) inibindo algumas etapas da rota biossintética da giberelina, um hormônio vegetal que atua no crescimento das plantas. Estudos feitos fora do Brasil têm mostrado resultados satisfatórios com o uso de reguladores de crescimento na cultura da batata (Radwan et al., 1971; Prakash et al., 2001; Tekalign & Hammes, 2005; Pavlista, 2013), sendo que os principais benefícios obtidos têm sido atribuídos à redução no porte das plantas e ao incremento na alocação de MS para os tubérculos (Prakash et al., 2001; Tekalign & Hammes, 2005).

No Brasil uma das cultivares de batata que está entre as mais plantadas é a cultivar Mondial. Essa cultivar apresenta elevada produtividade de tubérculos de tamanho especial (graúdos), mas ela também possui um crescimento vigoroso da parte aérea. Nessa cultivar a redução do crescimento aéreo das plantas seria algo interessante que poderia trazer benefícios para a produtividade de tubérculos. Nesse sentido, uma pesquisa foi realizada com a cultivar Mondial em área de produção de batata do Grupo Ioshida na região de Taquarituba-SP (Nunes, Dissertação de Mestrado, 93f, 2017). Nesta pesquisa buscou-se avaliar o efeito da aplicação de diferentes reguladores de crescimento sobre o desenvolvimento e a produtividade de tubérculos dessa cultivar (Mondial). No experimento foram utilizados os reguladores de crescimento cloreto de mepiquat, cloreto de chlormequat, proexadiona cálcica e paclobutrazol nas doses de 25, 50, 100, 200 e 400 g ha-1 do ingrediente ativo (i.a.), além do tratamento testemunha (sem regulador vegetal). A aplicação dos produtos foi realizada via foliar de uma única vez aos 35 dias após a emergência (DAE), quando o tamanho médio dos tubérculos era de aproximadamente 25 g.

Aos 18 dias após a aplicação dos produtos se avaliou o desenvolvimento da parte aérea das plantas medindo-se o comprimento da maior haste, o número de folhas por planta e a área foliar das plantas. O estudo estatístico mostrou que não houve interação dos diferentes produtos testados com as doses aplicadas (Tabela 1). No entanto, entre os reguladores de crescimento testados o paclobutrazol foi o único produto que reduziu o comprimento das maiores hastes e a área foliar das plantas de batata em relação ao tratamento testemunha (sem aplicação de regulador). A aplicação foliar desse regulador de crescimento também foi mais eficiente que os demais reguladores em reduzir o comprimento das hastes, o número de folhas por planta e a área foliar das plantas. Essas diferenças entre os reguladores de crescimento ocorreram porque mesmo que eles atuem inibindo a biossíntese de giberelina nas plantas, cada regulador atua em etapas distintas da rota biossintética desse hormônio, o que faz com que eles tenham comportamentos diferenciados. Em relação as doses aplicadas observou-se que, independentemente do tipo de regulador utilizado, a aplicação de doses crescentes dos reguladores de crescimento tiveram pouca influência sobre o comprimento das maiores hastes, mas as doses aplicadas reduziram linearmente a área foliar das plantas e causaram um pequeno aumento no número de folhas por planta até a dose de 50 g ha-1 do i.a. (Figura 1). Isso indica que a aplicação de doses crescentes de regulador de crescimento na cultivar Mondial causou um pequeno aumento no número de folhas por planta, mas as folhas formadas eram de menor tamanho, o que refletiu numa redução significativa da área foliar das plantas.

A colheita do experimento ocorreu aos 109 dias após o plantio, cerca de 17 dias após a dessecação da parte aérea das plantas. Os resultados obtidos demostraram que a produtividade comercial de tubérculos foi influenciada somente pelas doses dos ingredientes ativos aplicados (Tabela 1). O aumento nas doses de regulador de crescimento independente do ingrediente ativo utilizado aumentou a produtividade comercial de tubérculos em aproximadamente 4.700 kg ha-1 até a dose estimada de 100 g ha-1 do i.a. (Figura 1). Outros estudos, com cultivares diferentes da utilizada nesta pesquisa, também evidenciam o efeito positivo da aplicação de reguladores de crescimento sobre a produtividade de tubérculos (Radwan et al., 1971; Pavlista, 2013; Mustafa & Ennylisan, 2014; Mabvongwe et al., 2016).

Desse modo, os resultados obtidos até o momento indicam que o uso de reguladores de crescimento pode ser uma alternativa para potencializar a produtividade comercial da batata. Contudo, é preciso se ajustar o manejo da aplicação desses produtos de forma a reduzir o crescimento vegetativo excessivo das plantas sem prejudicar negativamente a produtividade de tubérculos. Os maiores benefícios do uso de reguladores de crescimento em batata parecem estar associados com o uso de cultivares que possuem elevado crescimento da parte aérea, como é o caso da cultivar Mondial, ou com condições de cultivo favoráveis ao desenvolvimento vegetativo das plantas, tais como temperaturas mais elevadas, maior precipitação, altas doses de nitrogênio, etc. Nessas situações é possível aumentar a produtividade de tubérculos e indiretamente favorecer a circulação de ar no dossel da lavoura, reduzindo o acamamento e a quebra de hastes e contribuindo para a redução na incidência de algumas doenças. Contudo, vale destacar que para promover os resultados esperados ainda é preciso se definir qual a melhor época de aplicação do regulador vegetal e quantas aplicações devem ser realizadas durante o ciclo de desenvolvimento da batata. Já em relação as doses, parecem que as melhores respostas ocorrem com o emprego de doses entre 50 a 100 g ha-1 do i.a.

 

AGRADECIMENTOS

À FAPESP pela concessão de bolsa de Mestrado (Proc. no. 2015/22885-0) ao primeiro autor e ao Grupo Ioshida pela concessão da área experimental.

Tabela 1. Comprimento da maior haste, número de folhas por planta e área foliar das plantas da cv. Mondial aos 18 dias após a aplicação dos reguladores vegetais, e produtividade comercial de tubérculos na colheita final em resposta a aplicação de reguladores de crescimento e doses do ingrediente ativo.Médias seguidas pela mesma letra na coluna não diferem entre si pelo teste t (p≤0,05). ns: não significativo. 1Interação considerando apenas o fatorial 4 reguladores x 5 doses do i.a.. d’ = diferença mínima significativa de Dunnet. Asterisco (*) = indica o contraste entre o valor do tratamento testemunha com cada regulador de crescimento pelo teste de Dunnet (p≤0,05).

Figura 1. Comprimento da maior haste (A), número de folhas por planta (B) e área foliar (C) das plantas de batata da cv. Mondial aos 18 dias após a aplicação dos reguladores vegetais, e produtividade comercial de tubérculos na colheita final (D) em resposta a aplicação de doses crescentes do ingrediente ativo. Valores representam a média dos quatro ingredientes ativos (cloreto de mepiquat, cloreto de chlormequat, proexadiona cálcica e paclobutrazol).

 

 

 

 

 

 

 

VEJA TAMBÉM

Restaurante-Bardo Batata: Especializada em Rústti, casa abarca artistas, poetas e cantores

Casa destaca tradicionais batatas suíças e oferece projetos culturais que envolvem intelectuais e degustadores de arte O nome Bardo vem do “Bardus”, que em latim significa “poeta e cantor”. Era como os romanos chamavam...

LER

Resistência de variedades comerciais de batata ao pulgão Myzus persicae e ao vírus Y

Fernando J. Sanhueza Salas (Pesquisador Científico, Instituto Biológico-LFF, São Paulo, Doutorando ESALQ-USP – Piracicaba): salas@biologico.brAlberto Fereres (CCMA-CSIC, Espanha) João R.Spotti Lopes (ESALQ-USP, Piracicaba) Os afídeos (Hemiptera; Sternorrhyncha) são insetos sugadores importantes como pragas de...

LER

A indústria fala

FRAIZZ – Indústria de Alimentos, Comercial e Importadora S/A Rua Luigi Batistini, 570 – São Bernardo do Campo/SP – CEP: 09842-020 RENATO NORIO – Diretor Industrial RICARDO MOTIO FUKUA – Diretor Comercial 1. Quais...

LER

Divulgação de Eventos

Eventos Nacionais Hortifruti – Seminário e Exposição de Frutas e HortaliçasLocal: Imigrantes Data: 17 a 21 de outubroHorário: 13 às 21 hComercial: Alcântara Eventos Internacionais XX Congresso da Associação Latino-americana de BatataData: 3 a...

LER