Novos desafios à produção.

A ocorrência de novas pragas e doenças está aumentando rapidamente e provocando grandes prejuízos econômicos em todas as regiões produtoras de batata do Brasil.
Como podemos explicar o surgimento de pragas, como mosca-branca, tripes, ácaros, percevejos, lagarta- do-cartucho e traça, e de doenças como sarna comum, sarna prateada, requeima, murchadeira, vírus Y ntn, nematóide nos últimos anos na cultura da batata?

As principais explicações técnicas para o surgimento dessas novas pragas e doenças estão certamente relacionadas ao plantio de batata próximo à soja (mosca-branca,
percevejos)e à cana-de-açúcar (pulverização aérea – risco de deriva de produtos fitotóxicos à batata); à rotação de cultura batata – feijão (tripes, mosca-branca, ácaros) ou batata – milho (lagarta-do-cartucho); ao plantio repetido de batata na mesma área, devido à crescente escassez de novas áreas (nematóides, sarna comum
e murchadeira); ao uso de batata consumo como batata semente (vírus Yntn, sarna prateada, murchadeira); às características genéticas da variedade ágata (a facilidade em brotar permite a utilização rapidamente como batata semente – talvez este seja o
principal motivo da disseminação generalizada de murchadeira) e às importações
de batata consumo e semente (sarna prateada).

Os prejuízos têm sido sempre elevados e em alguns casos chegam a atingir até 100%, ou seja, o produtor simplesmente passa a grade…e não colhe nenhuma batata.
As soluções para todos os problemas acima citados são de grande complexidade,
no entanto, estes precisam ser amenizados para que não aumentem ou novos problemas venham a se juntar a este time devastador. Não perderemos tempo em encontrar culpados, mas sim em sugerir idéias para a solução parcial ou total dos problemas. Nossa principal sugestão é a organização profissional da Cadeia Brasileira da Batata.

Através dessa organização profissional, poder-se-ia montar um plano de trabalho a ser desenvolvido por uma equipe de profissionais competentes. Os recursos econômicos
necessários poderiam ser obtidos através de contribuição compulsória de toda a cadeia produtiva. Certamente no plano de trabalho a realização de algumas atividades resolveria a maioria dos problemas atuais. Podemos citar como exemplos o uso obrigatório de batata semente fiscalizada (atualmente menos de 10% da área atual utiliza batata semente fiscalizada); o zoneamento das áreas de produção para evitar que culturas diferentes sirvam de perpetuação de pragas comuns; o desenvolvimento de pesquisa para encontrar alternativas de controle; o incentivo à produção ou multiplicação de batatas sementes no país – menor custo e maior sanidade; a melhoria das fiscalizações nas fronteiras para impedir a importações de batata consumo
ou semente que transportam problemas etc.

Acreditamos que solução total dos problemas só será possível se as outras cadeias produtivas do Brasil também se organizarem profissionalmente… Caso contrário, o bicho vai pegar.
Os culpados são o governo, os produtores…
Sugerimos como solução:
• obrigatoriedade do uso de semente fiscalizada;
• organização profissional;
• pesquisa.

Autor: Natalino Shimoyama, Gerente Geral ABBA

Fonte: Revista Cultivar HF - Dezembro 2005/Janeiro 2006 - Ano VI - nº 35

http://www.cultivar.inf.br
VEJA TAMBÉM

Preços da batata no mercado.

O preço da batata fresca ou in natura atingiu valores elevadíssimos nos últimos meses (abril – maio 2005) devido às condições climáticas adversas (seca e temperaturas elevadas) e à redução da área de plantio....

LER

Custos Impraticáveis

Custos elevados de produção, causados pela alta dos preços de fertilizantes e de combustíveis, e a introdução de variedades que aumentaram os problemas fitossanitários nas lavouras, poderão inviabilizar a produção de batata no Brasil

LER

“Custo Brasil”

A luta das cadeias produtivas de hortaliças brasileiras para sobreviver aos enormes entraves e desafios para produzir e comercializar alimentos   LER MATÉRIA NA ÍNTEGRA

LER

Organização profissional

A profissionalização e a união das cadeias produtivas destinadas ao abastecimento interno são a saída para o fortalecimento do setor, que perde cada vez mais espaço no Brasil

LER